Filho de eslovena diz que mãe tem transtornos psiquiátricos e a tranca em casa para protegê-la

Parecia ser um caso de cárcere privado, mas a polícia mudou a condução do caso ao ouvir o filho da mulher eslovena que foi encontrada trancada dentro de uma casa, no bairro Santa Cruz, Volta Redonda, no Sul do Rio de Janeiro. O homem, de 27 anos, disse que a mãe tem problemas psiquiátricos e que a prende em casa para protegê-la. Apesar das explicações, ele foi autuado por abandono de incapaz e liberado para responder em liberdade.

“Ontem nós conseguimos, após o depoimento dele, verificar a situação e ficou apenas como abandono de incapaz. O artigo 133, porque se viu que ele realmente não tinha a intenção de maltratar a mãe dele. A própria perícia da Polícia Civil esteve na casa, viu que tinha comida na geladeira, pronta pra ela comer, e que ela sofre de problemas psiquiátricos”, explicou a advogada do filho, Pabline Venezia.

O caso foi descoberto no domingo (10). Os policiais conseguiram abrir a porta e a mulher, de 50 anos, contou que estava com fome, sem roupa e que queria sair de casa. Ela estava com marcas pelo corpo e disse também que o filho tentou enforcá-la. Uma vizinha emprestou um vestido para que a vítima pudesse ser levada até a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, a Deam. Ela está internada, sob efeito sedativos, em uma unidade do Cais, o Serviço de Pronto Atendimento do município. Depois que receber alta, ele deve ser encaminhada para um abrigo público.

O caso já vinha chamando a atenção dos vizinhos há meses. “Mais ou menos, por volta de novembro, é que a gente começou a observar isso mesmo [que ela ficava presa em casa]. A gente percebia que era uma situação estranha. Era uma situação de prisão”, disse uma vizinha, que não quis se identificar.

A advogada do filho disse que ele e a mãe já viveram em países. A eslovena chegou a fazer tratamentos com medicamentos pesados, que incluía choques elétricos. Ainda segundo a advogada, ambos são vegetarianos e, por isso, existem restrições na alimentação e no tratamento. O filho trabalha como vendedor ambulante de doces.

Os dois estão há um ano e meio no Brasil. A Polícia Federal informou que vai checar se eles estão em situação regular no país. O posicionamento deve ser divulgado na tarde desta segunda (11).

VIA: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

8 + 2 =