Empresário diz ter pago propina a ex-presidente do Senado Eunício Oliveira

O empresário Mariano Marcondes Ferraz disse ter pago propina ao ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE) para obter mais contratos com a Petrobras.

Condenado a 10 anos de prisão pelo então juiz Sérgio Moro, Ferraz tenta fechar 1 acordo de delação premiada com o Ministério Público. Segundo ele, os pagamentos eram feitos numa conta fora do país de seu cunhado, mas Eunício era o “beneficiário final”.

Ao UOL, o ex-senador emedebista negou, por meio de sua assessoria de imprensa, quaisquer irregularidades: “Eunício Oliveira nega, veementemente, qualquer envolvimento com os relatos de 2002 feitos pelo delator, assim como tomará todas as medidas judiciais cabíveis“.

Ferraz é ex-executivo do grupo Trafigura, multinacional de comércio de petróleo. Para tentar uma delação premiada, entregou ao MP documentos e prestou declarações. Ele acusou ainda o deputado Júlio Lopes (PP-RJ) de receber dinheiro no exterior –o que os advogados de Lopes disseram ao UOL ser “falso”.

Outro mencionado pelo empresário é o ex-deputado Índio da Costa (PSD-RJ). O pessedista teria recebido dinheiro para protegê-lo na CPI da Petrobras (2014). Ao portal, o ex-congressista disse que não era deputado na ocasião.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, recebeu o pedido de delação premiada da Lava Jato no Paraná. Remeteu tudo à 1ª Instância por entender que a prerrogativa do foro privilegiado não vale para nenhum dos casos mencionados.

Cabe à força-tarefa do MP em Curitiba decidir se aceita o acordo proposta por Ferraz.

VIA: Poder 360 | Por: Guilherme Pera | Foto: Sérgio Lima

DEIXE UMA RESPOSTA

+ 86 = 95