Coordenadora que morreu baleada em Suzano era voluntária de igreja

A coordenadora pedagógica Marilena Ferreira Vieira Umezo, de 59 anos, foi uma das primeiras vítimas dos dois atiradores que abriram fogo na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, nesta quarta-feira (13). Amiga da profissional, Denise Hanashiro disse que ela era uma pessoa muito corajosa. “Ela era uma mulher muito alegre e cheia de coragem. Enfrentava tudo dentro da escola. Violência contra professores, tudo”, diz Denise, que se aposentou em 2014 depois de ter trabalhado como professora de inglês no local por 25 anos.

Segundo Denise, a amiga deixou o marido, três filhos e vários netos. Mesmo aposentada, Denise afirmou que mantinha relações de amizade com a coordenadora do colégio. “Há um tempo ela me ligou pedindo que eu fizesse uns artesanatos para ela. Quando ficou pronto, fui até lá. Rimos, tomamos café”, conta.

A ex-professora de inglês disse que Marilena assumiu o cargo de coordenadora recentemente. Antes, era professora de geografia. “É muito triste. Marilena era uma mulher maravilhosa, sempre pronta para ajudar”, afirma Denise.

Além da atuação profissional na escola, Marilena se destacava em um trabalho voluntário que realizava na Igreja Matriz São Sebastião, na mesma cidade. Lá, coordenava encontros de casais e atuava como catequista. “Uma pessoa maravilhosa, religiosa e adorada por todo mundo. Ela amava educação. Não conheço seus alunos atuais, mas tenho certeza de que ela era amada por todos eles”, afirma o engenheiro Joni Matos Incheglu, professor universitário e ex-aluno do colégio. Ele e a esposa eram amigos de Marilena e seu marido.

DEIXE UMA RESPOSTA

4 + 2 =