Após morte de chefe do tráfico da Favela do Lixão moradores relatam medo; ônibus têm trajetos restritos

Carros da polícia na entrada da favela do Lixão — Foto: Lívia Torres / G1

Após a morte do traficante Charles Jackson Neres Batista, o Charlinho do Lixão, no início da tarde desta terça-feira (26), moradores de Duque de Caxias relatam ter passado a madrugada e o início da manhã desta quarta (27) com medo.

Por conta da morte de Charlinho, traficantes da região ordenaram o fechamento do comércio ainda durante a tarde de terça. Algumas linhas de ônibus também precisaram mudar o itinerário para não passar por outras regiões do município.

“Estou desde 5h30 esperando um ônibus e não está passando quase nenhuma linha dos ônibus circulares de Caxias. A gente quer chegar ao trabalho, mas não consegue porque os ônibus estão tendo dificuldade de sair das garagens, os motoristas receosos e a cidade está em pânico. As pessoas estão amedrontadas e sabe se lá como vai ser até o fim do dia”, disse André, que trabalha em Inhaúma, na Zona Norte do Rio.

Por conta do medo, um motorista precisou parar o ônibus e ligar para a empresa onde trabalha para saber se poderia seguir o trajeto pelo itinerário normal até a Favela do Lixão. A empresa informou que ele não podia ir até lá e que a circulação estava interrompida até lá.

“Devido ao que aconteceu ontem, foi indicado pela empresa que não era pra descer, até pela segurança a gente teve que mudar o itinerário por isso”, explicou o motorista.

De acordo com o Sindicato de Transportes de Duque de Caxias (Setransduc), a circulação da frota de ônibus de Caxias nesta quarta vai depender do apoio policial.

Escolas sem aula

Segundo as autoridades, quatro escolas e uma creche localizadas próximas à comunidade do Lixão não vão funcionar nesta quarta. Essas unidade atendem a cerca de dois mil estudantes.

A expectativa é que as outras 174 unidades de educação abram normalmente. O posto de saúde e o hospital infantil, que ficam bem em frente a comunidade, funcionam normalmente no atendimento à população.

De acordo com a prefeitura de Caxias, o comandante do 15° BPM (Caxias) informou que a comunidade está cercada e que os órgãos públicos podem ficar tranquilos com relação ao funcionamento ao público.

A maior parte do comércio no Centro de Caxias abriu por volta das 9h nesta quarta-feira, mas a movimentação era menor do que o de costume. As lojas que ficam em frente à Favela do Lixão, continuaram fechadas.

Um blindado e um carro da PM reforçavam o policiamento na entrada da Favela do Lixão, em Duque de Caxias — Foto: Reprodução / TV Globo

Um blindado e um carro da PM reforçavam o policiamento na entrada da Favela do Lixão, em Duque de Caxias — Foto: Reprodução / TV Globo

Morto durante operação da PM

Charlinho do Lixão, foi morto a tiros durante operação da Polícia Militar na Favela do Lixão. O chefe do tráfico na comunidade foi indiciado pelos disparos dos tiros que mataram um bebê dentro da barriga da mãe também em Caxias, em 2017.

Ainda segundo a PM, a Favela do Lixão é ainda uma área de influência do traficante Fernandinho Beira-Mar, atualmente preso em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Depois de ser baleado, Charlinho foi encaminhado para o Hospital Moacir do Carmo, em Caxias, mas não resistiu. Na operação, três granadas, dois fuzis com carregadores e munição foram apreendidos. A operação prendeu outras três pessoas e a ocorrência foi apresentada na 59ª DP (Duque de Caxias), informou a PM.

Charlinho do Lixão é filho do traficante Charles Silva Batista, o “Charles do Lixão”, e estava foragido. O Disque Denúncia oferecia R$ 2 mil por informações de Charlinho.

Charlinho posa com drogas, radiotransmissores e granadas em 2017 — Foto: Reprodução

Charlinho posa com drogas, radiotransmissores e granadas em 2017 — Foto: Reprodução

Bloqueio na Linha Vermelha e comércio fechado

Por conta da operação da PM na Favela do Lixão, a Linha Vermelha chegou a ter bloqueios intermitentes no trecho que fica na altura dos acessos para Duque de Caxias.

No centro de Caxias, o comércio do calçadão fechou as portas após a ocorrência na Favela do Lixão. Linhas municipais de ônibus também chegaram a ser paralisadas ou mudaram de rota como as que passam pelo Complexo da Mangueirinha, Centro de Duque de Caxias e Shopping Center próximo à comunidade do Lixão. Essas linhas foram desviadas pelo viaduto do Centenário.

Outras linhas da Zona Oeste estão partindo da Avenida Brigadeiro Lima e Silva, no bairro 25 de Agosto, segundo a empresa que opera os ônibus no município.

A Secretaria Municipal de Educação suspendeu as aulas no turno da noite de todas as escolas da rede municipal nesta terça-feira.

Grávida foi baleada na favela e perdeu o bebê

Em 2017, Charlinho foi indiciado pela morte de Arthur de Melo, bebê atingido por dois tiros dentro da barriga da mãe, em Duque de Caxias.

Charlinho também era suspeito de participação em crimes de homicídio simples, tráfico de drogas e associação ao tráfico.

Segundo as investigações da Polícia Civil, na ocasião da ação que atingiu uma grávida, outros traficantes da região efetuaram os disparos, mas Charlinho já era o líder do tráfico da Favela do Lixão. Ele também é considerado uma das principais lideranças da principal facção criminosa do Rio de Janeiro.

Claudineia dos Santos Melo estava grávida de 39 semanas quando foi baleada e perdeu o filho. Ela foi atingida por um tiro na pelve quando estava a caminho de um mercado, perto da Favela do Lixão. A bala atravessou o tórax da criança e também atingiu parte da orelha.

Claudineia voltava para casa quando se viu em meio ao fogo cruzado entre políciais e traficantes — Foto: Arquivo pessoal

Claudineia voltava para casa quando se viu em meio ao fogo cruzado entre políciais e traficantes — Foto: Arquivo pessoal

VIA: G1 | Por Lívia Torres, Bom Dia Rio

DEIXE UMA RESPOSTA

2 + 8 =