Pela 1ª vez em 14 anos, país tem meta de inflação abaixo de 4,5%

Pela 1ª vez desde 2005, o país persegue uma meta de inflação inferior a 4,5%. Em 2019, o BC (Banco Central) tenta garantir que a taxa fique em torno de 4,25%. O intervalo de tolerância é de 1,5 ponto percentual de tolerância para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Para os próximos anos, o centro da meta é ainda mais baixo: 4% para 2020 e 3,75% para 2021, ambos com margem de 1,5 ponto percentual.

As metas são definidas com antecedência pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), formado pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e pelo presidente do BC. As de 2019 e 2020, por exemplo, foram definidas em 2017.

Naquele momento, as expectativas controladas para o comportamento futuro do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, levaram o conselho a iniciar 1 processo gradual de redução do patamar a ser perseguido.

De lá para cá, a inflação tem sido controlada. Em 2017, pela 1ª vez na história, a taxa ficou abaixo do piso da meta do governo para o ano. Em 2018, a expectativa é que fique em torno de 3,7% – abaixo do centro da meta, que para este ano é de 4,5%.

Para 2019, a expectativa dos analistas de mercado consultados pelo BC (Banco Central) no Boletim Focus é de 4,07% em 2019 e 4% em 2020.

O governo de Jair Bolsonaro (PSL), portanto, tem início com 1 cenário razoavelmente confortável para a inflação. Para os economistas, no entanto, o desafio da equipe econômica será garantir as condições para manutenção da taxa em patamares baixos.

“O governo começa com uma inflação mais baixa do que em outros períodos. A grande questão é saber se a equipe vai conseguir entregar o índice nesse patamar”, coloca o pesquisador da área de Economia Aplicada do FGV-IBRE, Marcel Balassiano.

O ex-diretor do Banco Central Carlos Eduardo de Freitas acredita que a busca por uma inflação menor representa “1 passo avante” dado pelo CMN. No entanto, ele afirma que, com a atividade econômica ainda fraca, o alto desemprego e, principalmente, o rombo bilionário nas contas públicas, o cenário econômico se torna mais instável.

Para conseguir o cumprimento das metas, o economista defende que o grande objetivo do novo governo deve ser a busca por superavits primários já depois de 2020. “Não tem pânico nem terror. A meta da inflação é perfeitamente alcançável, mas o foco precisa ser no equilíbrio fiscal.”

Como funciona o sistema de metas de inflação

O sistema de metas de inflação foi criado em 1999 com objetivo de dar mais segurança e previsibilidade à economia. Ao CMN cabe fixar a meta e a banda de tolerância. O BC, por outro lado, é responsável por adotar as medidas necessárias para alcançá-la.

O principal instrumento da autoridade monetária para balizar a inflação é a taxa básica de juros. A Selic é definida pelo Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, que se reúne a cada 45 dias para analisar o cenário macroeconômico e definir a taxa que entrará em vigor. Hoje, está na mínima histórica, de 6,5% ao ano.

Quando a inflação está alta, o colegiado sobe a taxa, aumentando, por exemplo, o custo do crédito e a remuneração de investimentos em renda fixa. Esse movimento desestimula os gastos do consumidor e os investimentos das empresas, o que acaba aliviando a pressão sobre os preços.

Por outro lado, quando a inflação dá sinais de desaceleração, abre-se espaço para a redução da taxa de juros. Esse movimento tende a incentivar a atividade e o crescimento econômico.

Quando os limites de tolerância anuais são desrespeitados, o presidente do BC precisa escrever uma carta para o ministro da Fazenda explicando os motivos para o descumprimento.

Inflação ficou fora da meta 5 vezes

Desde a implementação do sistema, o limite máximo não foi respeitado em 4 ocasiões: em 2001 (quando o teto era de 6% e a inflação ficou em ​7,67%), 2002 (teto de 5,5% e inflação de 12,53%), 2003 (teto de 6,5% e inflação de ​9,3%) e 2015 (teto de 6,5% e inflação de 10,67%).

O mínimo, por outro lado, só não foi cumprido em 2017, quando a taxa verificada foi de 2,95% enquanto o piso era de 3%.

DEIXE UMA RESPOSTA

6 + 1 =